terça-feira, 5 de agosto de 2008

Projeto Novos Caminhos para a Juventude Camponesa Turma X do Curso Técnico em Agricultura Ecológica



Lauro Bernardi
Engenheiro Agrônomo
Consultor de ATER-MDA/RS

Entre os dias 17 e 19 de julho de 2008, participei em Ronda Alta –RS, do Seminário de Socialização de Experiências da Turma X do Curso Técnico em Agricultura Ecológica -TAPE X, vinculado ao Projeto Novos Caminhos para a Juventude Camponesa apoiado pela PJR, M,AB, MMC e MPA e MDA. As atividades de apresentação dos trabalhos elaborados pelos educandos do curso junto a suas comunidades foram realizadas na Fundação de Desenvolvimento, Educação e Pesquisa da Região Celeiro – FUNDEP / Escola de Educação Profissional “terra de educar”. Tendo como eixos de pesquisa geração de renda e gênero, biodiversidade, sementes, pesca artesanal, fruticultura e olericultura de base ecológica, cooperação e pastoreio racional Voisin, 21 formandos de diversos estados brasileiros, apresentaram com muita maturidade e tensão característica deste momento, sua monografia à banca, submetendo-se a avaliação crítica construtiva desta e da plenária que insistia em colaborar enquanto partícipe deste maravilhoso processo de construção e troca de conhecimento. Parabéns a Fundep que demonstra ter clareza de que o compromisso com a participação popular é imperativo para todas as instituições que desejam estar afinadas com os interesses de seu público e disposta a construir relações de solidariedade e cooperação a partir de uma nova visão de sociedade. Paulo Freire nos ensinou que ninguém educa ninguém, que ninguém educa a si próprio, que os seres humanos educam-se entre si, mediatizados pelo meio. A Fundep pelo que vi, faz da teoria sua prática. Para homenagear a TAPE X - “filhas e filhos da mãe terra” que se formou no dia 26 de julho de 2008, tomamos emprestado do livro Pedagogia do Oprimido um recorte que traduz o espírito guerreiro destes NOVOS profissionais, técnicos e lutadores sociais. “Não posso investigar o pensar dos outros, referindo ao mundo, se não penso. Mas não penso autenticamente, se os outros também não pensam. Simplesmente, não posso pensar pelos outros, nem para os outros. A investigação do pensar do povo não pode ser feita sem o povo, mas com ele, como sujeito de seu pensar. E se seu pensar é mágico ou ingênuo, será pensando o seu pensar, na ação, que ele mesmo se superará. E a superação não se faz no ato de consumir idéias, mas no de produzi-las e de transformá-las na ação e na comunicação”. (Paulo Freire).

2 comentários:

Paulo Mendes disse...

que maravilha.. Grande Lauro repensando o velho e eterno Paulo Freire, e um grande projeto!

maikol disse...

ja se passaram tres anos de formatura e estes lutadores e lutadoras se encontram espalhados pelo pais promovendo a realização na pratica do que foi aprendido na escola e na base de nossas comunidades . " ninguem ensina nada a ninguem, mas as pessoas também não aprendem sozinhas " Paulo Freire